Make your own free website on Tripod.com
Algumas Curiosidades

* Os alunos de Mestre Pastinha usavam calça preta, camisa amarela e jogavam calçados. Era a homenagem que o Mestre fazia ao time de seu coração o Ipiranga que usava as mesmas cores.

* Mestre Pastinha falava : "quando eu jogo até pensam que o velho está bêbado, porque eu fico mole e desengonçado, parecendo que vou cair. Mas, ninguém ainda me botou no chão , e ainda nem vai botar ".

*Traços de Mestre Pastinha- "Mandinga de escravo em ânsia de liberdade" "Capoeira foi para homem,menino, velho e até mulher não aprende quem não quer" "Cada um é cada um" "O négocio é aproveitar os gestos livres e próprios de cada qual" "Berimbau é primitivo mestre da vibração e ginga ao corpo da gente" "Sou discíplo que aprende um mestre que da lição"

*Mestre Curió explicando a Mandinga - "Existem muitas partes da mandinga, existem a mandinga da magia negra e a mandinga da malícia do capoerista, quando ele se diz realmente capoerista . Mandinga é isso, é sagacidade, é voc6e poder bater no adversário e não bater , você mostra que não bateu porque não quiz."

*Mestre Pastinha explicando a Chamada - "A chamada é uma filosofia do angoleiro, é a malícia do angoleiro. Por que hoje a humanidade se preocupa muito em ficar forte, em fazer artes marciais, em ficar atleta para jogar capoeira. A capoeira não depende disso , a capoeira depende da técnica , malícia e sagacidade. Quando o camarada tá muito brabo dentro da roda, quer bater , quer pisar, eu chamo ele. Ele vai entender do jeito que souber pois a violência do angoleiro não está em dar rasteira, nem pontapé, nem murro. A malícia do angoleiro está realmente nas chamadas."

Atenção, você precisa ter o RealPlayer para ouvir os contos e as declarações, para baixá-lo, clique AQUI

Contos e Declarações feitas pelo o próprio Mestre Pastinha

Conto de Mestre Pastinha quando foi numa roda.

Conto de Mestre Pastinha quando ele foi tomar conta de uma Casa de jogo.

Declaração de Pastinha sobre o seu Berimbau.


d e l i n k @ s v n . c o m . b r
Copyright © 1998 Thiago ^CuícA^